Portfolio interativo. Faculdade de Educação - UnB. 2/2012

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Fichamento II


      Fichamento II
    
CYSNEIROS, P. G. Novas tecnologias na sala de aula: melhoria do ensino ou inovação conservadora?


RESUMO

O modo como os computadores são usados no contexto escolar muitas vezes trazem melhorias ao ensino, bem como ao desenvolvimento do aluno. o texto ressalta essa importância, mostrando como o computador é uma inovação na educação que ainda é conservadora. 
O texto vem mostrar que o computador na escola esta inovando a educação, mas muitas escolas não usam o computador para inovar, e sim para servir ao seu tradicionalismo.
O uso das TICS na escola deve ser aproveitado pelos professores, e não fazer com que eles se sintam menos "antenados", porém, segundo o autor, é isso que acontece. Além disso, a internet nos possibilita ter acesso a varias informações, o que não quer dizer que todas elas sejam relevantes ao contexto de sala de aula.
Para resolver essas pendências, o autor afirma que deve acontecer um balanceamento, não se deve deixar de lado a aprendizagem tradicional, com objetos concretos, apesar das melhorias que o computador e as TICS trazem. A tecnologia não pode substituir totalmente, mas também não pode estar completamente ausente, uma vez que ela tem muito a acrescentar na aprendizagem e desenvolvimento dos alunos.


PRINCIPAIS CITAÇÕES

"O professor encontra-se sobrecarregado com aulas em mais de um estabelecimento, falta-lhe tempo para estudar e experimentar coisas novas recebe baixos salários” (pág. 12).

"Após algum tempo surge outra tecnologia e o ciclo recomeça, com seus defensores argumentando que foram aprendidas as lições do passado, que os novos recursos tecnológicos são mais poderosos e melhores que os anteriores, podendo realizar coisas novas, conforme demonstram novas pesquisas. E o ciclo fecha-se novamente com uso limitado e ganhos educacionais modestos" (pág. 13).

“Não quero com isso afirmar que tais tecnologias de exposição não são úteis. São sim, nas mãos de mestres criativos, dentro de contextos apropriados.” (pág. 16)

“Tal tipo de mídia pode também reforçar no aluno uma falsa sensação de ter aprendido a lição, pois tudo que o mestre escreveu está ali, gravado, do jeito dele, com os mesmos espaços, tamanhos, etc. Essa sentimento é ilusório, como todo mundo que já passou pela escola sabe. Alguns dias depois o aluno submete-se a uma prova confiante que aprendeu, e verifica que o conteúdo não foi assimilado segundo os objetivos (ou a avaliação) do professor” (pág. 17).

"A presença da tecnologia na escola, mesmo com bons software, não estimula os professores a repensarem seus modos de ensinar nem os alunos a adotarem novos modos de aprender. Como ocorre em outras áreas da atividade humana, professores e alunos precisam aprender a tirar vantagens de tais artefatos" (pág. 18)

“Embora a Internet seja um recurso com muito potencial para determinadas atividades educativas, ela também pode ser mais um fator de colonialismo cultural, pois estamos recebendo a informação daqules que tem condições de coloca-la nos computadores, reduzindo nossa presença e ampliando o alcance do poder de suas ideias (...)” (pág. 20).


COMENTÁRIOS

O texto traz uma questão muito interessante, que nos mostra que o computador é fundamental na educação de hoje em dia, mas ainda assim, os alunos precisam manusear objetos e entender também as práticas concretas da educação. 
Na disciplina de Matemática aqui da FE, por exemplo, nos aprendemos a ensinar os alunos com objetos concretos e atividades que requerem o manuseio dos alunos. Imagino que isso seja fundamental para a criança, por exemplo, aprender de fato as operações e etc, o que não exclui o uso do computador.
As TICS devem ser usadas para enriquecer as práticas educativas e não para substituir esse vinculo professor-aluno, pois ele também é muito importante para o desenvolvimento pedagógico dos alunos. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Portfolio da disciplina Práticas Midiáticas na Educação. Faculdade de Educação - Univerdidade de Brasília, 2/2012.

Seguidores